Alterações da Alienação Fiduciária pela nova lei 13.465/17

[Rodrigo Bicalho]

As alterações foram principalmente procedimentais, ajustando regras de execução da garantia.

A legislação anterior levava a decisões que concedem chances maiores de o devedor saldar a dívida. A nova lei acatou a jurisprudência de decisões para resgatar a segurança jurídica que estava se perdendo.

A alienação fiduciária está completando 20 anos (a lei que a criou é de 1997). Veio para substituir a hipoteca, conceito que tem origem no Direito Romano. Sua implantação demorou para ocorrer porque de início houve muita contestação de inconstitucionalidade. A principal motivação vinha do choque da execução da garantia mais rápida que a hipoteca. O assunto só foi pacificado pelo STF em meados da década de 2000 (justamente o momento em que, por vários fatores diferentes, se iniciava o boom imobiliário brasileiro).

[comentário pessoal: o boom imobiliário brasileiro coincide com o boom econômico chinês pós-entrada na WTO (2001), assim como a estagnação recente das economias latino-americanas coincidem com a “estagnação” econômica chinesa. Estudos recentes de macroeconomia comprovam o vínculo entre nossas economias sul-americanas baseadas na exportação de commodities e o consumo chinês. Seguem dados de PIB para visualização da aderência, veja como México e Argentina, por problemas domésticos, não se aproveitaram tanto do crescimento chinês] Continuar lendo

O campeão cresceu!

Nosso livro mais vendido ganha uma segunda edição com o dobro de material e muito mais assuntos, já disponível em versão digital. A versão em papel será disponibilizada em breve, conforme disponibilizado em nossa página de Livros Publicados.

CapaEVE_E2

Esta segunda edição do livro mais vendido sobre o assunto traz, além de todo o material original revisado e ampliado, conceitos de criação de valor econômico, como EVA, MVA, Goodwill, métricas de aferição por fluxo de caixa, e apresenta o conceito de Project Finance e a norma técnica brasileira (ABNT NBR) pertinente. Continuar lendo

Como lançar áreas e vagas de garagem nos quadros NBR 12.721

O que são e para que servem os Quadros NBR 12.721? Como classificar e lançar as áreas privativas e de uso comum? Como lançar vagas de garagem autônomas, vinculadas e desvinculadas de unidades? Como lançar vagas em áreas privativas ou de uso comum? Quando a vaga pode ser presa? Como lançar as áreas externas descobertas? O que é área de divisão proporcional ou não proporcional? Como lançar rampas de garagem? E os vazios de pé-direito duplo?

Estas e outras dúvidas frequentes do preenchimento dos quadros são tratadas em nosso novo minicurso, já disponível em nossa Escola Digital.

Continuar lendo

Livro “Estudo de Viabilidade…” com cupom de desconto

Aproveitando o clima de Carnaval, o eBook “Estudo de viabilidade econômica de empreendimentos imobiliários” faz parte de uma seleção de livros com direito a cupom de desconto no valor de R$5.

O leitor terá direito a R$5 de desconto na compra, inserindo o cupom CARNAVAL5 na página do livro antes de comprá-lo na Amazon.com.br. A promoção irá do dia 24 de fevereiro até 28 de fevereiro de 2017 às 23:59.

ATENÇÃO: cada leitor poderá utilizar o cupom somente UMA VEZ no site.

Preços de imóveis no Brasil: retrato da alta dos últimos anos

A revista britânica The Economist disponibilizou um comparativo de evolução de preços de imóveis em diversos países.

Mesmo sabendo que tivemos uma recuperação de preços defasados desde o final da década de 1970, o crescimento é impressionante. O explosivo mercado de Hong Kong ficou abaixo da nossa alta.

Veja como é raro observar queda nominal de preços. Só na Grécia isso ocorreu no longo prazo.

O comparativo toma por base o primeiro trimestre de 2008.

  

A Teoria de Pecking Order na estrutura de capital das incorporadoras brasileiras

 

Cheguei agora onde eu queria. Os posts anteriores sobre a proposição de irrelevância, trade-off e teoria da agência foram necessários para o entendimento da Teoria de Pecking Order (ou teoria da hierarquia de preferência, numa tradução livre).

A famosa pesquisa de Myers e Majluf, de 1984, colocam a questão da assimetria de informações: os gestores possuem mais informações sobre a magnitude dos investimentos, o retorno de cada investimento e outras características da firma que os investidores externos. Assim, os gestores prefeririam emitir ações quando os preços estão sobrevalorizados. Como os investidores sabem disto, exigiriam um desconto para comprá-las. Os gestores dariam, então, preferência a outras formas de financiamento, como o endividamento. Myers, em outro trabalho, sugere que as empresas seguem uma ordem de preferência para seu financiamento (pecking order). A sequência de preferência seria pelos recursos próprios (lucros retidos), seguido pela dívida de baixo risco, dívida de alto risco e, por fim, a emissão de ações.

Bulan e Yan, em 2010, estudaram a proposição do pecking order em função do ciclo de vida da firma e identificaram que Continuar lendo

O atual mercado imobiliário de Santo André

por Ricardo Trevisan

Contexto histórico-econômico

Segundo Juergen Richard Langenbuch, a urbanização de Santo André tem origem na implantação das indústrias ao longo da ferrovia Santos-Jundiaí, que naquela época era a São Paulo Railway. Este trecho da linha tinha grandes vantagens por estar entre a capital da província (mercado consumidor e fornecedor de mão-de-obra) e o porto de Santos (fonte de matéria-prima e bens de capital, além de ser base para exportação ou navegação de cabotagem que fazia a distribuição para outras províncias). A implantação dessas indústrias no território que hoje é Santo André foi delimitada pelo Continuar lendo