A cidade industrial de Tony Garnier

Tony Garnier desenvolve sua tese da Cidade Industrial enquanto bolsista do Prix de Rome, publicada em 1904. Suas propostas acabam se tornando uma das mais importantes referências para a adaptação de cidades às necessidades da sociedade industrial sem romper radicalmente com seu desenho tradicional.

A novidade também vinha da forma como o modelo surgiu, inaugurando a era dos modelos de origem científica e metodológica acadêmica para a aplicação à realidade epistemológica. Ainda assim, apesar de ter sido publicada em 1904 na revista La construction lyonnaise, a proposta de Tony Garnier permaneceria desconhecida até 1917, quando viria a ser divulgada em livro. Continuar lendo A cidade industrial de Tony Garnier

A cidade do formalismo francês

Até a Segunda Guerra Mundial, a França era uma potência econômica e cultural mais influente que os Estados Unidos no mundo ocidental. Por consequência, havia em território francês intensa produção urbanística, sendo alguns dos pontos mais marcantes: Continuar lendo A cidade do formalismo francês

A cidade de Camillo Sitte

A consolidação do urbanismo enquanto campo de conhecimento fomentou o surgimento de textos teóricos em quantidade muito superior ao que vinha sendo produzido até meados do século 19.

Um dos nomes mais proeminentes dessa virada foi, curiosamente, quem olhou para o passado com uma vertente referencial um tanto nostálgica: Camillo Sitte (Construção das cidades segundo seus princípios artísticos), admirador dos traçados e volumes construídos medievais, viu nas antigas cidades medievais algo que vinha se perdendo durante a urbanização periférica na zona das antigas muralhas de Viena (o ring): a riqueza de visuais, caminhos, narrativas e surpresas do olhar ao explorar o espaço urbano durante uma simples caminhada, tal qual o faria Gordon Cullen em forma de desenhos quase um século depois. Continuar lendo A cidade de Camillo Sitte

A cidade do entreguerras

Entre as décadas finais do século 19 e o término da Primeira Guerra Mundial (1918), as cidades europeias vivenciaram uma inédita fase de aceleração em seus processos de transformação morfológica, adquirindo grande complexidade estrutural e inovações inéditas em termos de infraestrutura, serviços públicos, equipamentos urbanos e tipologias de edifícios.

Ao mesmo tempo, o urbanismo se estabelece enquanto campo de conhecimento autônomo para dar respostas às questões que passam a surgir nas aglomerações ou novas formas de assentamentos urbanos, a despeito de ter havido a prática empírica do pensamento urbano desde os primeiros assentamentos humanos organizados, como vimos nos posts anteriores até aqui. Continuar lendo A cidade do entreguerras

A cidade de Haussmann

A Paris de Haussmann (que é praticamente a mesma capital francesa que conhecemos hoje em termos viários) é provavelmente a mais emblemática experiência do urbanismo barroco registrado enquanto obra construída. Trata-se de uma radical intervenção numa cidade de traçado medieval, renovando o traçado viário, reformando a estrutura fundiária, construção de obras de infraestrutura urbana, de equipamentos, urbanização de novos espaços livres com três grandes objetivos:

  1. Fácil circulação dentro do espaço urbano;
  2. Erradicar a insalubridade e decadência nos bairros, favorecer a circulação de ar no interior das quadras adensadas, criar uma imagem de modernidade, arborizar a abrir espaços livres na cidade;
  3. Valorizar e enquadrar monumentos em perspectiva, os conectando entre si por vias largas.

Plano urbano de Haussmann para Paris Continuar lendo A cidade de Haussmann