Como projetar uma adega residencial: dicas

O consumo e a apreciação de vinho pelos brasileiros cresceu muito nas últimas décadas. Com a mudança do costume, veio também a valorização dos espaços de guarda nas residências. A exibição de espaços bonitos e sofisticados em mídias e redes sociais transformou as caves em objetos de fetiche da classe média brasileira. Mas será que estamos projetando adequadamente esses ambientes?

Existem alguns elementos sugerindo que não. Em primeiro lugar, cada família tem um padrão de consumo diferente, o que deveria resultar em projetos diferentes. Além disso, são raros os padrões de consumos elevados ou de vinhos de guarda, o que aponta para um certo exagero no dimensionamento de muitas caves residenciais.

O projeto desses espaços, assim como de quaisquer outros espaços internos de residências, depende de uma série muito grande de fatores. Elenco abaixo apenas alguns deles, os quais considero de grande importância: Continuar lendo Como projetar uma adega residencial: dicas

Para que serve o Norte no projeto de arquitetura?

O projeto de um imóvel se diferencia substancialmente de outros projetos móveis, como objetos e veículos, justamente por sua fixação espacial. Como não poderemos nunca mais “ajustar” a posição ou orientação desses “objetos” tão especiais, os aspectos físicos ganham importância crucial para as decisões de design. Topografia, ventos predominantes, características de precipitações (chuvas) mais intensas, acessos, visuais, sombreamento, rugosidade do terreno, possíveis alterações morfológicas de vizinhança e uma infinidade de outras variáveis se tornam críticas ao bem imóvel.

Assim, um dos elementos mais críticos vem a ser o movimento aparente do sol. Muito mais que alterações de luminosidade, a insolação de um determinado território define e interfere em variáveis como temperatura, umidade e ventos, só para citar algumas. Ou seja, o sol define as condições de conforto ambiental dos ambientes construídos. Continuar lendo Para que serve o Norte no projeto de arquitetura?

Interferência em patrimônio histórico-cultural: que órgão consultar?

Projetos que incluam intervenções físicas em bens materiais protegidos enquanto suportes de valor histórico-cultural (bens tombados) costumam ser tabu no Brasil, por diversos motivos. Falta de educação formal sobre o assunto, a dificuldade de se estabelecer regras que sejam de compreensão social ampla, interferências políticas nos processos, divulgação distorcida de informações pela imprensa são só alguns dos elementos que criam e sustentam esses tabus.

Entre as inúmeras dúvidas que permeiam o assunto, uma das mais basilares é saber qual órgão de proteção deveria ser consultado sobre os impactos previstos no projeto. Não são raros os casos em que a consulta é feita apenas ao órgão federal (IPHAN), e num momento seguinte os investidores são surpreendidos por aplicação de penalidades por instâncias de esferas subnacionais de governo (estados, municípios ou Distrito Federal). Por que isso acontece? Continuar lendo Interferência em patrimônio histórico-cultural: que órgão consultar?

Construção sem movimento de terra

Se você está pensando em construir, deixo aqui uma dica valiosa que pode trazer uma significativa economia para a sua obra: invista num bom projeto que aproveite a topografia do terreno de forma inteligente. Com certeza você já ouviu isso, eu sei, mas estou repetindo mais uma vez porque tenho visto que poucos proprietários seguem a dica. O resultado é que acabam gastando muito mais que o necessário.

O sintoma de um projeto mal-elaborado aparece logo no início da obra: se você observar bem, vai perceber que a regra é fazer movimentos de terra de volumes desproporcionais em residências unifamiliares. Não é raro ver máquinas de terraplenagem típicas de obras grandes, como abertura de rodovias, fazendo malabarismos épicos em obras relativamente pequenas – observe que estou falando de obras pequenas para os padrões da construção civil, ainda que a casa seja grande. Isso é algo incompreensível e incompatível com a necessidade do cliente em 99% dos casos. Continuar lendo Construção sem movimento de terra

Parceria público-privada habitacional no Brasil

A viabilização econômica de habitação social no Brasil (e no mundo) já conta com uma nova possibilidade, e muito promissora. Até pouco tempo atrás, todas as nossas políticas habitacionais de Estado foram baseadas na propriedade de imóvel subsidiado: desde os Institutos de Aposentadorias e Pensões do Estado Novo, passando pela discreta Fundação da Casa Popular – FCP, o Banco Nacional da Habitação, o Programa Minha Casa Minha Vida.

Porém, nenhum desses programas chegou nem perto de resolver o problema habitacional no país em termos nominais. Mesmo o Minha Casa Minha Vida, que viabilizou 14,7 milhões de UH até 2017, não chegou nem a estabilizar, no saldo acumulado de todo o período, uma demanda que nunca para de crescer. Ou seja, há uma conclusão óbvia de que precisamos adicionar novas possibilidades de soluções a nossa carteira de opções. Continuar lendo Parceria público-privada habitacional no Brasil