Vias férreas, exoneração fiscal, ONR e matrícula nacional única pela nova lei 13.465/17

Vias férreas

[Flávio Gonzaga]

O que é a via férrea: linha + faixa de domínio sobre a qual a ferrovia está instalada + terrenos marginais + estações + galpões + materiais envolvidos.

A primeira ferrovia data de 1854, promovida pelo Barão de Mauá com apoio do Império – tinha 14,5km de extensão. A partir de então, a malha ferroviária passou a ser implantada com concessões do governo, chegando a uma malha com mais de 30.000km de extensão na década de 1930, momento correspondente ao auge desse modal no país. A partir de então, se iniciou o declínio ferroviário principalmente em decorrência da falta de manutenção, falta de novos investimentos e a concorrência com outros modais que recebiam incentivos do governo. Continue lendo “Vias férreas, exoneração fiscal, ONR e matrícula nacional única pela nova lei 13.465/17”

Sugestão de otimização do transporte sobre trilhos em São Paulo SP

Existe uma possível intervenção simples, de baixo custo, que não envolve instalação de trilhos e poderia otimizar os sistemas integrados (Metrô, Via 4 e CPTM) na capital paulista: uma conexão de pedestres entre as estações Luz (Linhas 1, 4, 7, 10, 11) e Júlio Prestes (Linha 8, com fácil acesso às linhas 7 e 9).

luz

A distância entre as duas plataformas é de apenas 443 metros, e um túnel (ou passarela aérea) de ligação entre ambas ainda poderia fornecer acesso à Sala São Paulo, cujo edifício está entre ambas.

Atualmente, o fluxo de pessoas que se deslocam para o centro da capital dos municípios a oeste da capital (Jandira, Carapicuíba, Cotia, Osasco, Barueri, Santana de Parnaíba – estes últimos incluem importantes centros do setor terciário avançado em Alphaville e Tamboré) precisam fazer uma baldeação na estação Barra Funda, com duas opções: Continue lendo “Sugestão de otimização do transporte sobre trilhos em São Paulo SP”

Mapa da Rede Metrô CPTM

Mapa da futura rede de Metrô de São Paulo?

 

Mapa da Rede Metrô CPTM
Mapa da Rede Metrô CPTM
Circulou pelas redes sociais, já faz algum tempo, este mapa de uma pretensa futura rede de transporte de alta capacidade para a capital paulista e arredores. Apesar de obviamente não ser um documento oficial (vide a cor da linha 19), seus autores parecem ter se baseado em informações internas do planejamento estadual. Algumas proposições têm se mostrado condizentes com o rumo que as companhias estatais estão tomando. Por exemplo, a Linha 6 – Brasilândia-São Joaquim – já está em obras (veja aqui a informação oficial) e outras propostas do mapa estão sendo anunciadas.

Porém, ele parece ser um pouco desatualizado em alguns detalhes. Por exemplo, a linha 15 foi chamada de Prata, e não Branca. Além disso, algumas propostas recentes, como a Linha 18 (São Paulo – ABC) e a Linha 20 (Lapa – Afonsina / São Bernardo do Campo) também foram omitidas.

Como ponto positivo para o usuário, as Linhas 6, 18 e 20 foram propostas como Continue lendo “Mapa da futura rede de Metrô de São Paulo?”

O PIB e o metrô

Caracas, capital da Venezuela, inaugura no mês que vem (dezembro/2013) uma nova estação de metrô, completando 74km de extensão de rede. É a mesma dimensão do metrô de São Paulo (a maior entre as brasileiras). A diferença é que Caracas tem uma população de 3,2 milhões de habitantes, enquanto a Região Metropolitana de São Paulo tem 20,8 milhões. Caracas não é o único exemplo para mostrar que o transporte urbano de massa no Brasil está muito atrasado. A Cidade do México, uma cidade com graves problemas de mobilidade urbana, tem 177km de trilhos de metrô (2,4 vezes mais que São Paulo) para uma população metropolitana de 26,1 milhões (1,25 vezes maior). Proporcionalmente, São Paulo está em situação pior.

O Rio de Janeiro, com 12 milhões de habitantes, tem 46km de metrô. Santiago, capital do Chile, com apenas 6,7 milhões de pessoas (pouco mais da metade do Rio) tem espantosos 102km de metrô (mais que o dobro do Rio). E o metrô de Santiago é de alta qualidade. O Rio tem pouco mais que os 43km de metrô de Valparaíso, no Chile, uma cidade que não tem nem 300.000 habitantes. Continue lendo “O PIB e o metrô”

Automóvel: inimigo público das cidades

por Ricardo Trevisan, arquiteto e urbanista

O Metrô de São Paulo poderia ter sido iniciado em 1927, se a proposta da São Paulo Light & Power tivesse sido aceita pela prefeitura naquela época. A Light estava trabalhando nesta proposta desde 1924, num esforço de tentar manter seu contrato com a prefeitura, numa época em que a escassez de energia elétrica favorecia os ônibus que começavam a substituir os bondes. O chamado Plano Integrado de Transportes, realizado pelo escritório do urbanista canadense Norman Wilson propunha uma rede de trens de alta velocidade (que hoje chamamos de Metrô) integrada com uma rede de bondes. Esse tipo de sistema existe hoje em cidades europeias e funciona muito bem.

PropostaLight_27Desenho do Plano Integrado de Transportes, da Light, 1927, com Metrô para São Paulo no Vale do Anhangabaú

Porém, a Light encontrou pela frente Prestes Maia, que além de estar disposto a dificultar as concessões a empresas estrangeiras, estava também interessado num Continue lendo “Automóvel: inimigo público das cidades”

Linha 17 Ouro do Metrô SP nasce obsoleta

DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS NA FORMA DA LEI. CITE A FONTE.

por Ricardo Trevisan, arquiteto e urbanista

A linha 17 (Ouro) do Metrô de São Paulo já está nascendo obsoleta, em todos os aspectos. Primeiro, está sendo desenhada para capacidade média (30.000 passageiros / hora sentido), inferior à capacidade que temos nas outras linhas da cidade. Acontece que ela ligará a linha 1 (Azul) a uma das regiões que mais concentra empregos na cidade, formada por Marginal Pinheiros / Berrini / Morumbi. Ou seja, parece que a Companhia do Metropolitano de São Paulo está esquecendo que do outro lado desta linha estará o maior fornecedor de mão de obra da cidade: a Zona Leste e ABC, que chegarão facilmente à linha 1 através da linha 2 (Verde) que agora chega até Vila Prudente e liga o ABC pela Estação Tamanduateí (CPTM).

Linha 17 Ouro do Metrô: retrocesso (Fonte: EIA / RIMA do Metrô)Outro aspecto é que está sendo feito como um elevado, com um impacto na paisagem devastador, e pode trazer a degradação que o Continue lendo “Linha 17 Ouro do Metrô SP nasce obsoleta”

Seminário Mobilidade e Transporte Sustentáveis

Apresento abaixo minhas impressões pessoais e anotações do seminário Mobilidade e Transporte Sustentáveis – Soluções Inovadoras para a Cidade, realizado pelo Grupo de Trabalho Mobilidade Urbana da Rede Nossa São Paulo em 01 de março de 2011 nas dependências do Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo – SEESP com o tema Transporte sobre trilhos. A mesa foi composta por: Maurício Broinizi Pereira (GT Mobilidade Urbana – presidência da mesa), Edilson Reis (SEESP), Marcos Kassab (representando a presidência do Metrô); Marcos Kiyoto (arquiteto e consultor da TC Urbes), Manuel Xavier Lemos Filho (Federação Nacional dos Metroviários – FENAMETRO), Ailton Brasiliense Pires (diretoria de planejamento da CPTM e pertencente à ANTP), Epaminondas Duarte Junior (diretoria de Planejamento e Expansão dos Transportes Metropolitanos – Metrô).

Maurício Broinizi Pereira abriu o seminário relatando o trabalho realizado no ano passado pelo GT de Mobilidade Urbana, os seminários realizados, e o produto obtido, um Continue lendo “Seminário Mobilidade e Transporte Sustentáveis”