Breve histórico das vilas de São Paulo

Vários trabalhos caracterizam bem o que é uma vila na cidade de São Paulo. Apesar de haver outras definições encontradas por Solange Aragão (FAUUSP, 2000), a que melhor explica nosso objeto de estudo em seu trabalho é: conjunto de casas de mesma arquitetura implantada no interior de um terreno, conformando ruas e pátios. A lei municipal 10.015/85 define vila como um conjunto de pequenas habitações independentes, em geral idênticas, e dispostas de modo que formem rua ou praça interior, por via de regra sem caráter de logradouro público. A Lei de Vilas define o tipo como conjunto constituído por unidades habitacionais isoladas, agrupadas, geminadas ou sobrepostas em condomínio.

Devemos ter cuidado ao utilizar tais definições, pois referem-se à produção de um determinado período, compreendido entre 1937 e 1968, como veremos adiante. Existe um período anterior, das vilas operárias, quando os conjuntos eram produzidos em dimensões maiores, próximas a indústrias, e às vezes incluíam comércio, serviços, escolas e outros equipamentos. Neste primeiro período, as vilas criavam vias públicas de circulação (vide como ótimo exemplo a Vila Maria Zélia).

As vilas do terceiro período, viabilizadas pela lei municipal 11.605/1994 (Lei de Vilas), apresentam características distintas das produzidas em épocas anteriores, mas possuem a mesma estrutura física (casas reproduzidas várias vezes, dimensões relativamente pequenas, conformação de áreas coletivas internas) e fundiária (um único lote não dividido).

O tipo vila construído após a lei de 1994, por seguir o modelo de loteamento fechado, não tem mais a pequena rua de acesso às casas do interior da quadra, e a transição entre o espaço público da rua e o interior da vila é abrupto, via de regra com muros e guaritas. São constituídas em regime de condomínio e produzidas por incorporadoras imobiliárias.

Primeiro período: as vilas operárias

No final do século XIX, São Paulo vivia um surto de industrialização patrocinado pela indústria cafeeira, e a demanda por habitação foi incrementada pelo grande contingente de trabalhadores imigrantes que chegavam à cidade. Este cenário tornou a construção de casas para aluguel um negócio muito atraente, e casas precárias eram facilmente alugadas. Novos conjuntos de habitações insalubres eram construídos para suprir uma demanda que não parava de crescer. A cidade não estava preparada para receber, além de imigrantes, os que vinham de regiões próximas em busca de emprego. A oferta de moradias e a infraestrutura instalada estavam atrasadas em relação à velocidade de produção da cidade, que entre 1886 e 1900 vivenciou o seu crescimento mais vertiginoso – multiplicou por cinco sua população.

Continuar lendo

Falta água em São Paulo. Faz tempo.

Água é vendida barata em São Paulo (considere barato como o preço cobrado menor que seu real valor de mercado). Por diversos motivos nenhum político vai querer corrigir isso, mas é a verdade. A relação de mercado é a seguinte: a demanda pela água é a população total da Região Metropolitana (20,8 milhões de pessoas em 2013, segundo estimativa do IBGE). Já a oferta, esta é mais complicada.

A natureza de São Paulo nos abençoou com alguns corpos d’água serpenteantes na baixa declividade do planalto. Mas nós, imprudentemente, colocamos muito mais gente que o ideal por aqui. Já no século 19 idealizamos represar alguns desses rios, ideias que criariam a Continuar lendo

Proteja seu dinheiro – 16.out.13

Atenção: as informações aqui apresentadas traduzem a visão pessoal do autor, e não possuem nenhuma forma de garantia de retorno ou rentabilidade.

Governo americano aos 44 do segundo tempo para fechar o acordo do teto da dívida. Pouca gente acredita que o acordo não saia até o apito final, mas as apostas em calote em maior prazo começam a aumentar. Fitch já sinaliza possível rebaixamento da nota dos EUA.

Tesouro Direto: fundos de pensão reduziram participação em títulos atrelados à inflação (NTN-B), mas continuam mantendo um bom percentual em carteira. Eles erram pouco. Passaram a comprar mais Continuar lendo

Proteja seu dinheiro – 02.out.13

Atenção: as informações aqui apresentadas traduzem a visão pessoal do autor, e não possuem nenhuma forma de garantia de retorno ou rentabilidade.

Tesouro Direto: títulos prefixados com referência à Selic são as queridinhas da vez, pois o consenso é que estejamos num pico. Fundos de pensão estrangeiros estão comprando LTN. Por períodos mais curtos, títulos que acompanham a Selic (LFT, por exemplo) podem ser boa opção, mas a tendência é de queda. Títulos atrelados à inflação (NTN-B, por exemplo) estão desvalorizados no mercado secundário, mas terão a rentabilidade contratual garantida no vencimento. Quem está comprado nesses títulos não deveria se desfazer deles agora.

Ações: como sempre, o investimento seguro em ações é o de portfolio e a longo prazo (compra de índices, como Ibovespa, IBX, etc., que pode ser feito por ETF ou fundos). Mas há muitas ações desvalorizadas, que podem ter bons ganhos dentro de alguns meses. Prefira empresas sólidas, com bom histórico nos últimos anos. Investimentos especulativos, como os do grupo EBX (OGX, principalmente) foram as que mais destruíram valor e puxaram o Ibovespa para baixo. Muitos analistas estão recomendando mais as empresas que sejam boas pagadoras de dividendos.

Poupança: a recente elevação e estabilização da taxa básica de juros pelo Copom fez com que a poupança voltasse à regra antiga de remuneração (aplicada quando a Selic fica acima de 8,5% a.a.). A regra antiga é de remunerar os depósitos em poupança em TR + 0,5% a.m. Para o longo prazo, a tendência é que a Selic volte a cair e a poupança retorne à regra nova (TR + 70% da Selic). Lembre-se que a poupança tem baixa liquidez da remuneração (só uma vez por mês) e seu risco é atrelado ao risco da instituição em que foi feito o depósito. A vantagem é a isenção de Imposto de Renda. Recomendo para períodos pouco superiores a 1 mês. Continuar lendo