A cidade industrial de Tony Garnier

Tony Garnier desenvolve sua tese da Cidade Industrial enquanto bolsista do Prix de Rome, publicada em 1904. Suas propostas acabam se tornando uma das mais importantes referências para a adaptação de cidades às necessidades da sociedade industrial sem romper radicalmente com seu desenho tradicional.

A novidade também vinha da forma como o modelo surgiu, inaugurando a era dos modelos de origem científica e metodológica acadêmica para a aplicação à realidade epistemológica. Ainda assim, apesar de ter sido publicada em 1904 na revista La construction lyonnaise, a proposta de Tony Garnier permaneceria desconhecida até 1917, quando viria a ser divulgada em livro.

A cidade industrial de Tony Garnier
A cidade industrial de Tony Garnier

 

A cidade industrial de Tony Garnier
A cidade industrial de Tony Garnier

Outra diferença de Tony Garnier é o fato de ter trabalhado de forma independente, sem qualquer vinculação com as estruturas de poder vigentes ou da opinião pública. Também não participava dos fóruns de debates de vanguarda, nem adotava qualquer postura militante de defesa pela aplicação de seu modelo. Essa postura contribui para deixá-lo no quase anonimato, e sua proposta, desconhecida, apesar de ter feito parte do grupo fundador da Sociedade Francesa de Urbanistas (SFU).

Na década de 1960, um grupo de pesquisadores descobre a obra de Tony Garnier e demonstra seu importante papel na origem da cidade moderna, além de seu caráter inegavelmente visionário sobre o destino que as cidades viriam a ter pela adaptação das cidades tradicionais à lógica industrial.

O modelo de Garnier era um composto formado por dois lados aparentemente opostos:

  1. Elementos da cidade formalista francesa como base estruturada do tecido urbano, mantendo a regularidade de quadrículas, eixos e perspectivas;
  2. Elementos novos e reformistas, adaptando elementos funcionais e físicos às necessidades da cidade moderna.

José Lamas [1] situa Tony Garnier também no grupo do formalismo francês em função de sua sistemática busca pela ordem e organização precisa da morfologia urbana. Por outro lado, o modelo da Cidade Industrial de Garnier antecipa temas do movimento moderno, como o zoneamento funcional por categorias de uso e a consequente fragmentação da mancha urbana em agrupamentos monofuncionais.

Cidade Industrial: detalhe de bairro residencial
Cidade Industrial: detalhe de bairro residencial

Também merece destaque o caráter vanguardista dos quarteirões permeáveis, verdes, onde surgem edifícios soltos no território. Teria sido revolucionário se a ordem rigorosamente formalista francesa não estivesse regendo todo o conjunto, e se o espaço urbano não estivesse definindo e organizando toda a forma da cidade.

[1] LAMAS, José Maria Ressano Garcia. Morfologia urbana e desenho da cidade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000.

Leia também:

A cidade hipodâmica
A cidade romana antiga
A cidade medieval europeia
A cidade renascentista
A cidade oitocentista europeia
A cidade utópica
A cidade de Hausmann
A cidade de Cerdá
A cidade do entreguerras
A cidade de Camillo Sitte
A cidade de Raymond Unwin
A cidade do formalismo francês

4 comentários em “A cidade industrial de Tony Garnier”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.