A perversa lógica salarial (ou: por que você talvez nunca tenha carteira assinada)


Pelas leis atuais (mesmo após a reforma trabalhista recente, pois esses itens não mudaram), e de acordo com a tabela de Imposto de Renda vigente, as pessoas físicas brasileiras são consideradas de alta renda (faixa mais alta, tributada em 27,5%) quando seu salário bruto está situado a partir de R$ 4.664,68. Acontece que, sobre este salário, incidem obrigatoriamente, e no mínimo:

  • IRPF retido na fonte: 27,5%
  • INSS: 11%
  • FGTS: 8%

E sobrou para o trabalhador o montante de R$ 2.495,60. A partir deste valor, este marajá tupiniquim (segundo a Receita Federal) terá ainda que retirar as despesas com habitação, transporte, saúde, educação, vestuário e lazer.

Além disso, para o empregador, há a incidência de Encargos Sociais que, para arquitetos por exemplo, é de 85,64%, conforme Tabela de Honorários do CAU/BR (mas pode chegar a 174% para trabalhadores na obra). Ou seja, para o trabalhador hipotético acima citado, se tiver o mesmo enquadramento do arquiteto (um dos mais baixos), para o mesmo salário líquido de R$ 2.495,60, o empregador desembolsa R$ 8.659,51. Ou seja, para cada R$ 3,47 que o empregador desembolsa, apenas R$ 1 efetivamente chega aos bolsos do trabalhador no fim do mês. E não termina por aí.

Para que o empregador assuma o compromisso de desembolsar R$ 8.659,51 todo mês, mais o 13o. salário, mais eventuais licenças, adicional de 1/3 de férias e demais direitos do empregado, é necessário haver segurança de que este último produza, em média mensal, um valor superior a este (caso contrário, não haverá interesse na contratação do trabalhador por uma obviedade da qual só escapa a filantropia). Arredondando, é necessário ter certeza de que você produzirá R$ 8.660 todo santo mês para que receba R$ 2.495,60 mensais, e o seu empregador ganhe apenas 49 centavos por mês com isso (ignorando férias, 13o., etc., etc., etc.).

Capturar

Pior ainda: se você trabalha com projetos, onde a demanda é flutuante, e a sua produtividade mensal varia junto com as contratações da empresa, a margem de segurança tem que ser muito maior do que 49 centavos por mês para justificar a contratação deste trabalhador, pois o gestor prudente ajustará sua segurança de acordo com a curva normal de suas receitas. E este é o caso dos escritórios de arquitetura, urbanismo, design, engenharia, advocacia, médicos, publicitários, fisioterapeutas, dentistas, corretores, consultores e mais uma infinidade de profissionais liberais.

Este é o motivo de se discutir tanto a reforma da educação, a produtividade do trabalhador, a incidência tributária sobre salários, e se devemos mesmo manter uma legislação trabalhista que foi traduzida ipsis literis de uma lei de Benito Mussolini na década de 1930 (que nem na Itália está mas em vigor).

Esse post foi publicado em administração, Arquitetura, dicas, finanças, jobs, notícias, política, textos e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s