Uma leitura do atual cenário macroeconômico

O ano de 2018, até o presente momento, apresentou instabilidades domésticas e externas relativamente incomuns. A greve de caminhoneiros, inédita em termos de escala e impactos macroeconômicos foi alimentada por fatores políticos de esvaziamento de poder, perda de representatividade e instabilidades presentes desde os protestos de 2013, e provocou importante interrupção na infraestrutura de produção e de consumo no país.

A atividade econômica retraída e baixas taxas inflacionárias no período recente contribuíram para a redução da taxa básica de juro da economia (Selic), criando um cenário de maior atratividade à tomada de crédito e investimentos. Os índices ainda baixos de confiança do consumidor e dos empresários adiam a retomada de investimentos em fatores de produção. Um primeiro movimento de inflexão na confiança foi registrado ainda no ano de 2017 em diversos setores, apontando para a entrada em nova fase do ciclo econômico (possível início da retomada da atividade econômica). Os setores em si também não se apresentam em fases semelhantes, pois alguns apresentam melhores índices que outros. Continue lendo “Uma leitura do atual cenário macroeconômico”

O que é spread bancário?

As empresas comerciais de revenda de mercadorias constroem seus resultados, grosso modo, na diferença entre o custo de aquisição e o preço de venda. Os bancos são empresas peculiares, que trabalham com o dinheiro como mercadoria, sendo seu custo (e preço) melhor expressado por taxas. A diferença entre o custo (taxa) de captação e a taxa de recolocação do recurso financeiro no mercado é chamado spread, uma diferença entre taxas.

O custo de captação de recursos pelos bancos é materializada pelas taxas de remuneração do capital dos correntistas: são as remunerações de poupança, fundos, certificados, títulos, etc. Portanto, possuem alta correlação com a taxa de juros pagas pelos títulos públicos, fixadas pelo Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) do Tesouro Nacional. Isso acontece porque os bancos transferem em tempo real recursos entre si para suas próprias contas no Banco Central, no chamado mercado interbancário. Os Depósitos Interbancários (DI) possuem taxa correlacionada a seu custo de oportunidade, ou seja, a taxa dos títulos públicos (Taxa Selic).

Ontem, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reduziu esta taxa para a meta de 13% ao ano. Continue lendo “O que é spread bancário?”

Proteja seu dinheiro: Copom sinaliza novo cenário para o investidor

Última ata do Copom (reunião que manteve a Selic meta em 11% ao ano) sinaliza um possível pico, com eventual redução da taxa daqui a alguns meses, se a inflação cair. Se esse cenário realmente se realizar, o momento atual será lembrado como a hora ideal para aquisição de títulos pré-fixados, como as Continue lendo “Proteja seu dinheiro: Copom sinaliza novo cenário para o investidor”

Proteja seu dinheiro 28.10.13: perspectivas 2014

Vamos hoje dar uma espiada em 2014:

  • Perspectiva de restrições de liquidez na China é a maior preocupação. E toda a economia brasileira está montada sobre o modelo exportador de commodities. Ainda.
  • Analistas prevendo alta volatilidade na bolsa, muitas apostas no índice Ibovespa abaixo dos 50.000 pontos. Oportunidades de compras à frente (para quem tiver sangue frio, é claro).
  • Boa parte da volatilidade prevista decorre das eleições. Marina, Eduardo Campos e Aécio, com discursos mais amistosos ao mercado (market friendly), podem ajudar a bolsa se subirem nas pesquisas. Se Dilma não alterar seu discurso (e tudo indica que não muda), sua popularidade nas pesquisas puxariam o Continue lendo “Proteja seu dinheiro 28.10.13: perspectivas 2014”

Proteja seu dinheiro – 22.out.13

Ontem o Ibovespa já tinha rompido a linha dos 56.000 pontos. Hoje o valor do índice subiu mais. E assim, confirma-se o rali iniciado em 10 de outubro. Vamos acompanhar.

E, pelo jeito, a Selic vai mesmo para (pelo menos) 10% na última reunião do Copom no ano.

Boas perspectivas para o investidor.