Avaliação de bens singulares: metodologia (UPAV 2016)

Após apresentar dois estudos de caso (avaliação de um quadro de Picasso e da Casa dos Contos, em Ouro Preto – MG), Radegaz Nasser e Maria dos Anjos Ramos retornaram aos palcos para apresentar a metodologia de avaliação de bens singulares de patrimônio cultural. Apesar da ordem aparentemente inversa das apresentações, não houve prejuízo da compreensão do processo para quem acompanhou os três trabalhos durante o congresso UPAV 2016 no Rio de Janeiro.

O contexto não poderia ser mais oportuno: em todos os países os valores culturais estão sendo resgatados, e a fala de nossos colegas sul-americanos durante a exposição confirma este entendimento em nossa região do globo. A APAC no Rio, ações em Cuzco, Washington D.C., Cartagena de las Índias, Salvador e Bogotá (compra de uma fazenda na Carrera 7 – Usaquén) são exemplos inequívocos do crescente interesse no assunto. E existe um selo mundialmente reconhecido para bens patrimoniais: o selo da UNESCO.

selo da UNESCO

Continue lendo “Avaliação de bens singulares: metodologia (UPAV 2016)”

Avaliação de bens singulares: patrimônio histórico e cultural (UPAV 2016)

Já comentamos aqui sobre o trabalho do engenheiro Radegaz Nasser em avaliação de bens culturais. Durante o mesmo congresso UPAV 2016, ele fez no dia 21 de outubro outra apresentação sobre o tema, desta vez em parceria com uma referência mundial no assunto: a professora Maria dos Anjos Ramos (Portugal). Partiram de um estudo de caso de relevância para o contexto cultural brasileiro, a Casa dos Contos em Ouro Preto (MG) para demonstrar a metodologia avaliatória de bens singulares de importância cultural.

De forma distinta de bens comuns cujo valor cultural não seja saliente o suficiente para impactar o valor do imóvel, estes bens possuem particular importância para um povo, registram algum atributo fundamental de seus usos e costumes, suporte de uma identidade cultural que conecta indivíduos, agrupando-os. Portanto, o valor cultural do bem acrescenta valor de mercado ao avaliando. Continue lendo “Avaliação de bens singulares: patrimônio histórico e cultural (UPAV 2016)”

Avaliação de intangíveis por Radegaz Nasser: obra de Picasso (UPAV 2016)

O engenheiro Radegaz Nasser, referência na área de avaliação de imóveis e Certificado pelo Ibape nível AAA, trouxe um caso no mínimo curioso às telas da UPAV 2016 no Rio de Janeiro: a avaliação de um quadro de Pablo Picasso. Evidentemente que existe um valor intangível na obra de difícil caracterização, e o valor de transação variaria de acordo com o tipo de comprador. Só para citar dois complicadores, entre outros.

Curioso também é como o problema se colocou em suas mãos. Durante um curso de informática, no qual era treinado em planilhas eletrônicas, Radegaz recebeu os dados de diversas obras do artista para fazer exercícios simples como obter médias e montar gráficos. Mas dados tão mastigados, com tantas variáveis disponíveis são tentadoras a qualquer avaliador que ame o que faz. De posse dos valores obtidos em leilão para aquelas obras, fez uma avaliação que ninguém havia solicitado. Continue lendo “Avaliação de intangíveis por Radegaz Nasser: obra de Picasso (UPAV 2016)”

UPAV Rio de Janeiro, 2016

Estivemos no maior congresso panamericano de avaliações e perícias de imóveis, UPAV, que neste ano foi realizado na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro.


A abertura dos trabalhos foi feita em quatro workshops no dia 19 de outubro, e o congresso se desenvolveu durante os dias 20 e 21.

Traremos detalhes dos trabalhos que acompanhamos mais de perto nos próximos posts, entre eles: avaliações econômicas, avaliações de bens de patrimônio histórico e cultural, avaliações de aeronaves, discussão sobre taxas no método involuntivo, entre outros.

Acompanhe aqui no blog.

Qual a diferença entre absorção e isolamento acústico?

Absorção acústica significa retirar energia sonora do ambiente. Qualquer elemento que faça com que as ondas sonoras percam força ou saiam do ambiente, é um absorvente acústico. Os mais comuns são elementos específicos feitos de espuma, algum outro polímero ou composto mineral. Mas qualquer elemento que ceda à pressão da onda tem o mesmo efeito: tecidos, tapetes, estofados absorvem a energia sonora. Observação importante: como esses elementos são relativamente pequenos em suas porções maleáveis, as frequências de menor comprimento de onda (agudos) serão muito mais absorvidas que as de grande comprimento de onda (graves).
Continue lendo “Qual a diferença entre absorção e isolamento acústico?”