Taxa de desconto e custo de capital para saneamento e energia: algumas notas

Setores que exigem grandes investimentos e longos prazos de maturação sempre conviverão com estes dois elementos constantes de elevação de riscos. E, aos olhos do investidor, mais riscos significam maior exigência de retornos – caso contrário, não haveria sentido em assumir os riscos do empreendimento. Assim sendo, para que haja investimento privado nesses setores, existem pelo menos duas condições básicas: um bom marco regulatório e uma taxa de retorno atraente. O segundo item, para cumprir a condição de atratividade, precisa, no mínimo, igualar o custo de capital total do empreendimento.

Existem vários métodos para esse cálculo, sendo o mais utilizado, em qualquer natureza de projeto contemporâneo, o WACC (Custo Médio Ponderado de Capital). Por este motivo, o WACC tem sido usado como referencial para investimentos em infraestrutura, pois procura retratar o investimento mínimo que viabiliza economicamente o projeto, indicando qual seria o custo de oportunidade do investidor, considerados os riscos específicos do negócio. Continuar lendo

Modalidades de reabilitação de centros urbanos

Quando se fala em reabilitação, recuperação, revitalização ou renovação de centros urbanos, existem diferentes estratégias de intervenção, de acordo com as características de cada caso.

Algumas delas são:

Renovação urbana: quando o existente é demolido e substituído por um outro padrão. Em geral, nestes casos, a ocupação é intensificada e a população original, expulsa do local. Exemplo: Baixa Pombalina, em Lisboa.

Revitalização urbana: tem o objetivo de retomar a vida econômica e social de uma área vista como decadente. Neste caso, a meta é trazer vida a uma área degradada e/ou abandonada. Exemplo: Nova Luz, em São Paulo (SP).

Requalificação urbana: procura integrar melhor a área às necessidades urbanas contemporâneas. Busca aumentar a atratividade e competitividade de uma área urbana. Exemplo: Porto Maravilha, no Rio de Janeiro (RJ), em suas intenções originais.

Conservação integrada: conservação, restauro e outras obras de reabilitação para novas funções. É uma aliança da proteção ao patrimônio construído ao desenvolvimento urbano. Exemplo: Bolonha, 1960.

Reabilitação urbana: a estratégia de gestão urbana procura requalificar a cidade, valorizar potencialidades e melhorar a qualidade de vida mantendo a identidade do lugar. Demanda negociação com a população local, preferencialmente com a participação desta no projeto. Exemplos: Hipercentro de Belo Horizonte (2007), Centro Antigo de Salvador (2010). Continuar lendo

Casa Petrópolis

Casa Petrópolis
Ano: 2003
Área: 500 m2
Status: Executado

Esta casa foi construída de forma muito interessante, sem um projeto formal, em Petrópolis – RJ. Havia muitos elementos interessantes como registro histórico da empreitada vernacular de seu idealizador, como uma lareira com dutos laterais de ar quente que aquecia os dormitórios no pavimento superior. O caminhamento de tais dutos era desconhecido, mas o funcionamento do sistema era perfeito, uma ideia genial e executada com perfeição técnica.

Optamos então por uma intervenção que respeitasse as características originais da casa, adaptando às necessidades de nossos clientes. Fizemos o mínimo de alterações possíveis e conseguimos, mesmo assim, mudar bastante as características e funcionamento da casa. Alteramos a circulação com aberturas e fechamentos estratégicos, ampliamos a cozinha e dormitórios, ampliamos o pavimento superior incluindo mais dormitórios, banheiros e um salão de jogos com copa. No térreo criamos uma adega e mudamos os espaços de estar e lazer para os fundos, onde há uma bela vegetação e tranquilidade por estar protegida dos ruídos da rua. RT

Casa Petrópolis: entrada

Casa Petrópolis: entrada

Casa Petrópolis: lateral

Casa Petrópolis: lateral

Casa Petrópolis: sala de jantar

Casa Petrópolis: sala de jantar