Índice Geral do Mercado Imobiliário Residencial (IGMI-R)

A necessidade de um indicador confiável para o nível de preços do mercado imobiliário residencial levou a ABECIP (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança), em parceria com o Instituto Brasileiro de Economia (IBRE), e a Fundação Getúlio Vargas (FGV), a lançar o IGMI-R. Este é o indicador mais confiável do setor por ser calculado com base nos laudos de imóveis financiados pelos bancos. O conceito é o mesmo do IGMI-C (Índice Geral de Preços Imobiliários – Comercial), lançado em 2011.

O IGMI-R usa metodologias adotadas por especialistas de mercado para fornecer o valor mais próximo possível da realidade para a transação do imóvel. As informações consideradas nos laudos de avaliação são mensuráveis e verificáveis, tais como localização, área privativa, características do entorno, padrão de acabamento, estado de conservação, número de dormitórios, etc. Continue lendo “Índice Geral do Mercado Imobiliário Residencial (IGMI-R)”

Instrumentos financeiros

Continuamos agora o assunto que iniciamos em Mercado Financeiro. Os instrumentos financeiros são os ativos negociados, basicamente divididos em:

  1. Instrumentos de dívida: o devedor assume a obrigação fixa de pagamento para o credor. Portanto, a rentabililidade não flutua (daí, renda fixa). São as debêntures, notas promissórias, etc.
  2. Instrumentos de participação: o aplicador de recursos passa a participar dos resultados do negócio financiado. Como os resultados variam (flutuam), a renda acompanha (renda variável). São as ações, opções, mercados futuros, etc.
  3. Intermediários: são as debênturescom limites de remuneração mínima (floor) e máxima (caps).

Os instrumentos são emitidos e lançados ao mercado uma única vez. Quando o aplicador adquire esses instrumentos dessa forma, trata-se de mercado primário. Daí em diante, esses mesmos instrumentos passam Continue lendo “Instrumentos financeiros”