Projeto de arquitetura: aula de método

Uma vez alguém escreveu em minha faculdade que aquele lugar era como criação extensiva de gado: solta o boi no pasto e o que voltar é lucro. Não questiono que o aprendizado de uma habilidade tácita como o projeto de arquitetura seja melhor aprendido com a prática – e quanto mais, melhor. O bom arquiteto costuma ter alta quilometragem de projetos. Mas nunca encontrei, durante a graduação, uma discussão sobre o método de projeto.

Foi apenas em 2003, durante o mestrado, que tive a oportunidade de Continue lendo “Projeto de arquitetura: aula de método”

O projeto de uma casa

Por que saber onde fica o norte?

Sabendo a orientação do terreno (onde está o norte), podemos prever a trajetória aparente do sol (insolação) e os ventos predominantes. A insolação orienta o projeto quanto ao posicionamento dos ambientes. No hemisfério sul (que corresponde a quase todas as cidades brasileiras), a face norte recebe mais sol no inverno e menos (ou nenhum sol, dependendo da latitude) no verão. A face leste recebe insolação bastante horizontal pela manhã e nenhuma à tarde. A face oeste recebe a insolação horizontal da tarde e anoitecer.

Para cada região do país, a melhor orientação dos ambientes depende de seu clima, topografia e elementos naturais (visuais, corpos d`água, etc.). Por exemplo, do trópico de Capricórnio para baixo (regiões sudeste, sul e Mato Grosso do Sul), a face norte é valorizada por ser fresca no verão e aquecida pelo sol no inverno. Mais ao norte, receber mais sol nunca será uma opção desejada, mesmo no inverno.

A face sul, que recebe algum sol no inverno na região sudeste e Mato Grosso do Sul, não é desejada para qualquer ambiente de estar prolongado. Por isso nós, arquitetos, preferimos colocar na face sul da residência banheiros, áreas de serviço, depósitos, circulação, escadas, etc. O mesmo se aplica à face oeste em cidades quentes. A diferença é que a face sul tende a ter menor temperatura média. Quando a casa tem uma cave, o ideal é que fique em seu centro geométrico (local mais fresco). Mas se tiver que ficar na periferia do edifício, o ideal é que seja na face sul.

As faces mais nobres (em geral variando de norte a leste, dependendo da região do país) recebem os ambientes de permanência prolongada (salas, dormitórios, escritórios, etc.). Nossa cultura é de permanência prolongada na cozinha. Esta área nos é cara e nobre, não importa o que se diga em livros estrangeiros.

Por onde começar?

Uma de minhas primeiras professoras de projeto dizia que temos que considerar três aspectos básicos: o que Continue lendo “O projeto de uma casa”

Proteja seu dinheiro – como pensa o investidor?

Diz a teoria que os investidores deveriam agir racionalmente e buscar sempre a melhor combinação entre risco e retorno que estiver à disposição. Sabemos que nem sempre o ser humano é tão frio, mas vamos supor que seja. Num cenário assim, a seleção do investimento deveria considerar a) o retorno esperado, que pode ou não ser estimado pelos retornos passados; b) pelo risco, avaliado pela variação (variância estatística) dos retornos passados; c) liquidez.

O interessante de ter esses dados em mãos é que o risco passa a mostrar a probabilidade de retorno de um investimento, e completa as informações necessárias para a construção de carteiras racionais (mesmo não havendo garantias de retorno). O raciocínio mais básico do investidor é o da esperança matemática, ou esperança de x, ou E(x). Ele diz que o retorno que podemos esperar de um ativo qualquer é o retorno que ele oferece se o empreendimento der certo multiplicado pela probabilidade dele dar certo, somado a todas as probabilidades adicionais multiplicadas por seus respectivos retornos (positivos ou negativos).

Exemplo: um ativo tem 80% de chance de dar um retorno de R$100 e 20% de chance de dar prejuízo de R$10. O retorno esperado é: Continue lendo “Proteja seu dinheiro – como pensa o investidor?”