Adm para arquitetos 7: alavancagem operacional do escritório


Talvez você esteja se perguntando por que sempre citamos custos e despesas, se há alguma diferença entre eles. Pode parecer um preciosismo terminológico inútil dividir os gastos em duas categorias, mas não é. A gestão financeira correta e sobrevivência da empresa dependem de visualizá-los no dia a dia e geri-los adequadamente. Falhas nesse sentido costumam estar presentes em empresas insolventes – aquelas que não conseguem mais honrar seus compromissos financeiros e estão com um pé na cova e outra na casca de banana.

Os conceitos são, na verdade, bem simples. Veja o seguinte exemplo: um arquiteto recém-formado resolveu construir um escritório atelier seu, do zero. Para isso, usou suas economias para os itens básicos de um arquiteto: comprou um computador, uma mesa, cadeira, telefone, impressora, papel, etc. Para cada item pesquisou preços e qualidade pesando a melhor decisão em cada caso – procurou economizar onde fosse possível, mas não abriu mão de um mínimo de qualidade. Este é o custo, são gastos diretamente ligados à produção.

Custo: gasto relativo a bem ou serviço utilizado na produção de outros bens ou serviços. Martins (2001, p.25)

Logo o pobre arquiteto percebeu que nenhum cliente aparecia porque não o conhecia. Precisava fazer alguma propaganda, vender seu peixe. Fez cartões de visita e uma página na Internet. Quando os primeiros clientes apareceram, percebeu que não gostavam muito de vê-lo trabalhando em casa, não parecia muito profissional e confiável. Teve que alugar uma pequena sala comercial, para a qual foi necessário também combinar com uma faxineira que o limpasse de vez em quando. Outros clientes passaram a exigir Nota Fiscal ou Recibo de Pagamento a Autônomo – RPA. Teve que se regularizar perante o fisco, pagar tributos, pagar contador. Todo este segundo bloco de gastos são as despesas. Elas não estão ligadas à produção, este é o conceito chave para diferenciá-las dos custos.

Despesa: bem ou serviço consumido direta ou indiretamente para a obtenção de receitas.

A despesa pode ser vista como uma espécie de “mal necessário”. Não era onde o arquiteto pretendia investir suas economias, mas não há como permanecer no mercado se não atender a essas necessidades.

Agora vejamos a diferença entre elas para a saúde da empresa. Imagine uma empresa que teve este resultado financeiro:

Receita:                                   7.000

(-) Gastos:                               6.500

Resultado:                                  500

Veja como é difícil imaginarmos uma forma de melhorar o resultado com tão poucas informações. Seria muito diferente se os gastos estivessem bem discriminados:

Receita:                                   7.000

(-) Custos:                               2.000  (28,6%)

Resultado operacional:            5.000

(-) Despesas fixas:                 4.500  (64,3%)

Resultado:                                  500

Há uma desproporção entre custos e despesas – estas últimas representam 64,3% da receita, mais que o dobro dos custos. Talvez nosso amigo arquiteto devesse procurar um imóvel mais barato, estudar modalidades de empresas que pagam menos tributos, ou se associar a outras pessoas na mesma situação para compartilhar espaços ou mesmo a empresa (um sócio).

Veja um aspecto interessante: esse arquiteto trabalhou a um custo de R$ 2.000 e produziu uma receita de R$ 7.000. Mantida esta proporção, se ele conseguisse mais projetos (o dobro, por exemplo), sua situação mudaria muito:

Receita:                                 14.000

(-) Custos:                               4.000  (28,6%)

Resultado operacional:        10.000

(-) Despesas fixas:                 4.500  (32,1%)

Resultado:                               5.500

Uma multiplicação que dobre a receita (volume) produz um aumento de onze vezes no lucro! Esta é a chamada alavancagem operacional, deve ser observada com atenção. Ela será maior quando a distância entre as receitas e os custos forem relativamente grandes – significa que a empresa tem boa eficiência operacional disponível, portanto é hora de produzir mais. O Grau de Alavancagem Operacional (GAO) é a variação percentual do lucro para cada ponto de variação percentual no volume:

GAO =        ∆% Lucro
                  ∆% Volume

Veja também como as despesas fixas foram diluídas para 32,1%, metade da situação anterior. Maior volume otimiza a utilização das despesas fixas. Se você não separar custos das despesas, jamais perceberá isso.

*     *     *

Leia a texto completo no livro Introdução à administração do escritório de arquiteturaVeja aqui.

Esse post foi publicado em administração, Arquitetura, dicas, finanças, jobs, textos e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Adm para arquitetos 7: alavancagem operacional do escritório

  1. Pingback: O que é BDI? | Ricardo Trevisan

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s