Santiago do Chile para arquitetos (fotolog)

 

IMG_6076IMG_6081IMG_6092

Continue lendo “Santiago do Chile para arquitetos (fotolog)”

Amsterdam para arquitetos

IMG_4970

Antes de ir

Os Países Baixos, como boa parte da Europa, não exigem visto. Mas não vá para lá sem cartões de crédito ou débito, é muito comum estabelecimentos comerciais holandeses não aceitarem dinheiro (sim, é isso mesmo, eles não aceitam notas de papel). Leve algum dinheiro em papel-moeda para pequenas despesas como transporte coletivo e táxis. Não recomendo levar dólares, a taxa de conversão é desfavorável na maior parte das casas de câmbio. Não troque dólares no aeroporto.

Não vá sem seguro saúde. Pode ser exigido na imigração.

Vale a pena dar uma repassada nos livros da faculdade antes de ir, em especial nos que falam desde H. P. Berlage (melhor ainda se você encontrar o projeto de Rivierenbuurt), desenho urbano do norte europeu, passando por Herman Hertzberger, traçado romano, etc., até o MVRDV. Também recomendo estudar um pouco da história do país, a Companhia das Índias Ocidentais holandesa (V.O.C.) e a forma como eles se financiaram. Se economia é algo de seu  interesse, recomendo uma lida no livro Crash, de Alexandre Versignassi antes da viagem.

Chegando

Do aeroporto de Schiphol até o centro de Amsterdam você tem algumas opções de transporte:

Continue lendo “Amsterdam para arquitetos”

Brasília para arquitetos

Muito já foi escrito e estudado sobre nossa capital federal, e não apenas por nós brasileiros. Nossa cidade nova tem um lugar especial no espírito dos arquitetos brasileiros, tanto para quem a adora quanto para seus críticos. De qualquer forma, para ambos os casos vale a visita, e recomendo que não se prendam apenas aos pontos de obviedades turísticas proporcionadas pelos edifícios de Oscar Niemeyer. A materialização dos ideais urbanistas do pós-guerra europeu no cerrado brasileiro é um importante elemento que denuncia a complexidade de nossa cultura, em especial de nossa identidade nacional. Continue lendo “Brasília para arquitetos”

San Isidro

Lima para arquitetos

O mais comum é ir ao Peru para conhecer Machu Picchu e Cuzco. Mas Lima é uma boa surpresa para quem não a conhece. O Peru faz parte do bloco econômico de Colômbia, México e Chile, países em destaque pelo crescimento econômico (bem maior que o brasileiro, por sinal). O bairro de San Isidro, onde estão as principais sedes corporativas, chama nossa atenção pela extrema limpeza das ruas, segurança pública (muito) invejável e o cuidado em manter jardins sempre que possível.

Aliás, isso é evidente em toda a cidade, justificável pelo clima sem chuvas e úmido. Apesar de estar ao lado do mar, em Lima não chove há décadas. A média de precipitação anual é a mais baixa registrada em todas as áreas metropolitanas do mundo, e quando chove a cidade sofre por não estar preparada. A arquitetura vernacular local dispensa telhados e as ruas não possuem sistema de microdrenagem que não seja o superficial. Não se encontra uma boca de lobo em Lima.

Lima - San Isidro
Lima – San Isidro

Continue lendo “Lima para arquitetos”

Machu Picchu para arquitetos: Intipunku

A vida nos coloca frente a muitos possíveis caminhos, dos quais escolhemos quais trilhar. Alguns são obrigatórios, encontros com o divino. Quem caminha é a alma. O encontro é consigo. E o homem que vai não volta, pois quem volta é outro.

A casa do guardião, início da trilha
A casa do guardião, início da trilha

Um desses caminhos parte de Machu Picchu para o Portal do Sol (Intipunku), uma caminhada de 3 horas ida e volta, mais ou menos. Altamente recomendado para qualquer ser humano. Obrigatório para arquitetos. Poderia estar num evangelho apócrifo: “o arquiteto que se aproxima daquele caminho de pedra, dele não deve se escusar, sob pena de seguir o resto de sua vida na escuridão”.

Trilha para Intipunku
Trilha para Intipunku. Machu Picchu ao fundo

A altitude é a prova a que a criação se submete e sublima, uma evolução em poucas horas para levar o oxigênio aos confins do corpo. Continue lendo “Machu Picchu para arquitetos: Intipunku”