Saudades do Malocci


Economia é um ramo do conhecimento classificado como ciência. O que classifica assim uma área de conhecimento é a presença de modelos que reproduzam a realidade com elevado grau de confiança, ou seja, que apresente modelos teóricos explicativos da natureza de alguma coisa. É assim com a matemática, a física, a química, a biologia,… e com as ciências econômicas, para usar o termo mais adequado.

O consenso em classificar as ciências econômicas como tal é mundialmente aceito, pois seus modelos explicam com propriedade o comportamento do ser humano ao gerir escassos recursos em qualquer ambiente, da África subsaariana à extinta União Soviética, passando pelos países nórdicos ou remotas ilhas do Pacífico.

Pois bem, uma das constatações mais aceitas na economia é a de que a estabilidade prolongada de uma economia traz crescimento. E temos um laboratório corroborando tal teoria a nossos pés: após a estabilização da economia (1994) seguiram-se longos anos de esforço em mantê-la sob controle até 2006. Seus responsáveis foram basicamente dois: Pedro Malan e Antonio Palocci. O par é às vezes chamado de “Malocci”. Durante esse período o Brasil se preparou para (e efetivamente conseguiu sob muitos aspectos) ser grande. De verdade. Ganhou agilidade, o PIB cresceu, o desemprego caiu, recebemos mais Investimento Estrangeiro Direto (IED), a renda aumentou, o brasileiro em geral melhorou de vida. E estávamos nos preparando para atingir um novo patamar.

Estávamos. Não estamos mais. Depois disso, retrocedemos. O aperto monetário virou afrouxamento monetário. Os esforços em buscar um Estado eficiente foram abandonados. A inflação acordou de sua sedação por pesadas doses de alta taxas de juros. A carga tributária só aumenta. Nosso produtividade continua ridícula. Tudo isso deixou nosso crescimento econômico conhecido por “pibinho”. A renda vai sendo corroída, e as tão aguardadas reformas não saem, mesmo tendo o atual governo a maioria do Congresso Nacional.

Os atuais gestores desse fracasso que vai se concretizando a cada dia me lembram cada dia mais uma analogia contada por um amigo: seu filho de sete anos, louco por um brinquedo, se apaixonou por uma nave espacial, especialmente pela ilustração da caixa. Ganhou o brinquedo e, ao abrir a caixa, descobriu que estava totalmente desmontada. Eram inúmeras pecinhas minúsculas, e não a esperada nave. Teria que aprender a montar antes de brincar.

Espero que eles aprendam rápido. Porque nesse voo que perde altitude estamos todos nós. Que saudade do Malocci…

Esse post foi publicado em administração, finanças, notícias, política, textos e marcado , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s