Liderança no escritório de arquitetura: introdução


A figura do líder é elemento definidor da produtividade da equipe, decorrente da capacidade de uma única pessoa influenciar a todos melhorando os índices de atingimento de metas. Pode acontecer dessa pessoa não estar em nível hierárquico superior aos demais. A liderança é construída a partir da confiança, e esta se manifesta através de três caminhos: pela intimidação, pelo conhecimento ou pela identificação.

A primeira modalidade, decorrente da intimidação é a mais frágil de todas, pois é construída sobre o medo da punição. Qualquer inconsistência percebida na relação a enfraquece, como a percepção de falta ou excesso de punição. Mas é a modalidade mais comum em relações em fase inicial, como com um chefe novo ou com uma pessoa indicada por um amigo.

A segunda modalidade, baseada no conhecimento, vem de um precedente de interações que permite ambas as partes fazerem previsões para o comportamento futuro da outra pessoa. Neste caso, ao contrário da confiança baseada na intimidação, um comportamento inconsistente não necessariamente quebra a relação. A violação pode ser aceita, e o relacionamento continuar. É o tipo de relação mais comum entre executivos e subordinados que trabalham juntos há mais tempo.

A terceira forma de confiança é a mais forte de todas, pois envolve vínculos emocionais: é aquela baseada na identificação, onde uma parte consegue compreender e, eventualmente pode até substituir e agir em nome da outra. A lealdade é inquestionável, e não haverá mais necessidade de monitoramento. É o vínculo ideal a ser procurado nos candidatos em processos sucessórios.

A confiança fortalecida aumenta a coesão do grupo, diz que as pessoas podem contar umas com as outras. Em situações adversas, alguém sempre virá em seu auxílio. Pessoas confiantes e com boa auto-estima são mais propensas a criar ambientes de confiança mútua, e vice-versa. Assim como empresas em fase de crescimento, onde há frequentes promoções, podem dar falsas impressões de confiança porque mais pessoas recebem mais poder e responsabilidades. O ideal, nesse caso é construir a relação de confiança gradualmente, pois uma inversão rápida de cenário não criará a sensação de traição. A situação inversa também ocorre, quando a empresa está reduzindo seu quadro de pessoal as relações de confiança mais sólidas podem ser ameaçadas, e o líder tem que ser totalmente transparente durante o processo para evitar maiores danos.

Leia o texto completo de gestão de pessoas no livro Introdução à administração do escritório de arquitetura, disponível na Amazon.com.br (brasileira) aqui.

Introdução à administração do escritório de arquitetura

Anúncios
Esse post foi publicado em administração, Arquitetura, dicas, finanças, jobs, notícias, textos e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s