Perspectivas para transporte e trânsito em São Paulo

Imagine uma solução para a mobilidade urbana de grandes cidades brasileiras (leia São Paulo), sem  reduzir população (pelo contrário, imagine que ela continuará aumentando). Também não vale colocar todo mundo num lugar só. Aposto que você verá um cenário com as seguintes características:

a) não está baseado no transporte individual motorizado, nem mesmo num mundo de motocicletas e táxis;
b) tem muito, mas muito mais metrô do que hoje (metrô de verdade, não monotrilhos estúpidos que destroem a paisagem e não transportam passageiros em número suficiente);
c) utilizam intensamente os trens urbanos atuais, mas com qualidade muito superior e melhor utilizados;
d) ônibus urbano é decente e utilizado com inteligência – ou seja, o exato oposto do que temos hoje em São Paulo;
e) as pessoas usam táxi quando precisam usar carro.

Veja que interessante: uma vida sem a propriedade de veículos automotores! Não acredita que seja possível? Então veja algum filme americano que se passa em Manhattan (precisou, usa um carro amarelo – e confortável).

Continue lendo “Perspectivas para transporte e trânsito em São Paulo”

Táxi é mais vantajoso que carro próprio

do jornal O Estado de S. Paulo, 04 de abril de 2011

Para distâncias de até 20 quilômetros, mesmo em cidades como São Paulo, uso do táxi é a alternativa mais econômica

Andar de táxi reduz o estresse e o gasto com locomoção. Para distâncias curtas de até 20 quilômetros ao dia, mesmo nos grandes centros, o uso de táxis sai mais barato do que Continue lendo “Táxi é mais vantajoso que carro próprio”

Eduardo Nobre: alternativas para a ampliação da Marginal Tietê

Este artigo do urbanista Eduardo Nobre, professor de planejamento urbano da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP é realmente muito esclarecedor sobre a ampliação da Marginal Tietê. Com muita propriedade do assunto, Nobre quebra muitos paradigmas correntes nas vozes de muitos jornalistas desinformados sobre o assunto.

Cita, por exemplo, a proposta de Metrô para São Paulo de 1927, que foi engavetada, para nossa tristeza, e que atrasou o início dessa obra estratégica por mais de 40 anos.

Clique aqui para ver o artigo.