As grandezas luminotécnicas

O pandemia tem levado muita gente a investir em melhorias nos ambientes habitáveis, em especial nos espaços de trabalho dentro das residências. Isso impulsionou, entre outras coisas, o mercado de projetos e instalações de iluminação, pois o conforto luminotécnico faz uma enorme diferença para os espaços de trabalhar, habitar, repousar e lazer. Mas são poucos os profissionais realmente habituados a este tipo de demanda. Este é um modesto pontapé inicial para quem quer entender um pouco mais do assunto, apresentando as principais grandezas envolvidas nesses projetos [1]:

Unidade de fluxo luminoso: Lúmen. É a unidade básica de luz, e mede o fluxo luminoso emitido por uma fonte. Alguns exemplos e ordens de grandeza são: lâmpada fluorescente tubular doméstica com potência aproximada de 60 watts emite um fluxo de aproximadamente 5.000 lúmens. Já uma lâmpada para iluminação de via pública pode chegar facilmente a 50.000 lúmens. O fluxo luminoso depende do projeto técnico da lâmpada e decai com a passagem do tempo e com a intensidade de uso. Continuar lendo As grandezas luminotécnicas

Diferença entre luminância e iluminância

Segundo Tregenza et al. (2015, p.7, Bookman), os dois conceitos são definidos da seguinte forma:

Iluminância é a quantidade de luz que incide sobre uma área unitária de superfície.

Luminância é o brilho de uma fonte medida com um fotômetro. Fonte é qualquer coisa que emite luz. O que nós, de fato, percebemos, depende do estado de adaptação do olho e de outros fatores. Também é chamada de “luminosidade aparente”. Continuar lendo Diferença entre luminância e iluminância