Os estandartes do último adeus

person holding blue and silver vintage camera

 

Importantes revoluções costumam ser precedidas de curtos lapsos de saudosismos. Que o digam os revivalismos, a exemplo do neoclassicismo do final do século XIX. O ser humano, frente à mudança iminente que o jogará em algum cenário desconhecido, parece dar aquele “último adeus” a uma época que vai embora. Claro, pois frente às incertezas de um novo mundo que se prenuncia, o passado é sempre um porto seguro, um ambiente controlado, onde não há mais espaços para surpresas desagradáveis. Daí vem o incrível apelo comercial da nostalgia. É mais fácil vender a garantia de um futuro que já se concretizou.

Aparentemente, estamos num desses momentos. Ideias e conceitos antigos e ultrapassados, vários deles longe de terem sido bons em algum momento, circulam com grande intensidade, como tantas vezes ocorreu na história. O velho faz representantes, engata alguma ação, mas logo fica evidente a sua obsolescência. Por mais que se relute em abrir espaço para o inexorável, sabemos que ocorrerá. Enquanto isso, somos obrigados a um interlúdio de nostalgia do que nunca funcionou.

Paciência. Não há outra saída imediata.

De repente, estaremos do outro lado, convivendo com o novo. Daqui a pouco, comportamentos anteriores serão esquecidos, e nem nos lembraremos mais de suas razões – e provavelmente há pouca, ou nenhuma razão, neles.

Que o digam as indústrias de chapéus ou as tabacarias de rua, só para citar dois exemplos. Observe que estamos falando de comportamentos humanos, não de tecnologia. São mudanças sociais, provocadas e sentidas por grandes grupos humanos. Não é a mudança tecnológica per se, até porque essas costumam ocorrer antes, e o elemento humano a ela se adapta depois. A questão atual não foge a esta regra, ainda convivemos com modelos sociais obsoletos, mesmo tendo tecnologia mais que suficiente para novos modelos literalmente às mãos.

Agora, chegamos ao ponto em que o revivalismo já ficou incômodo, fica cada vez mais evidente que está desajustado, que não vai mais servir daqui para a frente. Já estamos na fase da despedida, que talvez tenha sido acelerada por um evento de proporções globais – como recorrentemente tem ocorrido, a cada ciclo de algumas décadas, desde a Queda da Bastilha, em 1789. E, respeitando a lei descoberta por Schumpeter, em ciclos cada vez mais curtos.

Ou seja, a virada está próxima. E, como tirar um espinho da pele, que seja rápida, já que o alívio é quase imediato. E, no momento seguinte, já nem nos lembraremos mais do espinho.

Espinho? Que espinho?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.