[e] A evolução da Escola Clássica

O século XX viu o surgimento de grandes empresas e, com elas, maior demanda por organização além do chão de fábrica. Naquele momento histórico ficou evidente a necessidade de um sistema de conhecimentos para a totalidade das operações organizacionais. Surgiram então, dentro dessas mesmas empresas, soluções para a organização interna e a profissionalização de sua administração, condições básicas para o crescimento sustentado de qualquer tipo de organização, independente de quem a administrasse. O final da década de 1920 viu o surgimento de duas importantes referências: Pierre du Pont (1870 – 1954) e Alfred Sloan (1875 – 1966).

Du Pont criou e implantou técnicas de administração, finanças e operações em duas grandes corporações: DuPont e General Motors. A primeira, fundada em 1802, cresceu rapidamente como fabricante de pólvora. Pierre assumiu sua presidência em 1915 e conduziu sua ampliação, modernização e diversificação, comprou outras empresas do mesmo ramo e expandiu negócios para a indústria química. As soluções criadas para a administração do conglomerado só precisariam ser revistas meio século depois. Ele introduziu o conceito de retorno sobre o investimento (return on investment, ROI) cuja forma de cálculo é hoje conhecida como fórmula DuPont.

Continuar lendo

Princípios da administração, de Henri Fayol (1841-1925)

Vale a pena lembrar.

1. Divisão do trabalho: dividir em tarefas especializadas para indivíduos específicos.
2. Autoridade e responsabilidade: poder de dar ordens e dever de prestar contas.
3. Disciplina: tornar as expectativas claras para poder punir as violações.
4. Unidade de comando: cada agente, para realizar cada ação, só pode receber ordens de um único gestor.
5. Unidade de direção: esforços de todos devem ser convergentes para os objetivos da organização.
6. Subordinação do interesse particular ao interesse geral.
7. Remuneração justa do pessoal. Continuar lendo