A lição da assertividade Inca


Entendo que as mitologias são metáforas para transmitir e perpetuar conceitos considerados importantes para uma cultura. E a atualidade dos conceitos embutidos em mitos Incas são impressionantes. Estou pensando em um caso específico, o da constituição da Cusco incaica, tal como os espanhois a encontraram em 1536.

Cusco. Foto de Emilene Miossi.

Cusco. Foto de Emilene Miossi.

Inca Garcilaso de la Vega, filho da união de uma princesa Inca com um capitão espanhol, viveu entre dois mundos durante o século 17. Não tinha interesse em ser historiador, mas registrou em linguagem escrita boa parte da mitologia Inca, até então transmitida apenas de oralmente. Ele conta que “Nosso Pai Sol”, vendo que os seres humanos levavam uma vida muito primitiva, se apiedou e deixou aqui uma filha e um filho seus. Estes teriam a missão de nos trazer leis e orientações para que vivêssemos em razão e urbanidade, para nos ensinar a vivermos em casas e cidades, a trabalhar a terra de forma mais produtiva, o cultivo de plantas, a criação de gado.

Esta passagem, por si só, dá muito combustível para as imaginações mais férteis. Considere que a qualidade urbana encontrada pelos espanhois em Cusco estava, no mínimo, em nível de igualdade com qualquer cidade europeia pré-industrial. Sem entrarmos em teorias mais imaginativas, o importante do mito é o conceito. E este mito diz que o povo que recebeu esta visão cidadã revolucionária (os Incas) caminhou para o vale de Cusco, sob a liderança dos herois míticos. Houve encontros violentos com os ocupantes do vale, mas foram derrotados, porque eles tinham a visão. Eles sabiam o que deveria ser feito. Traçaram a cidade em dois eixos, norte-sul e leste-oeste, em respeito ao dualismo religioso (curiosamente, o Império Romano traçava suas cidades exatamente da mesma forma, o eixo norte-sul era chamado cardus). Criaram quadras, pátios em miolos de quadras (um século antes de conhecerem os espanhois!) e casas construídas de forma a serem eficientemente resistente aos sismos comuns na região. Revestiram paredes inteiras em folhas de ouro e sediaram ali o esplendor do império que ia da Colômbia à Argentina. Os espanhois chegaram para invadir, mas antes se assombraram. E só tiveram sucesso na dominação porque cooptaram parte dos nativos, parte do império.

O conceito aqui é assertividade. Certeza. Eles sabiam o que deveria ser feito, e isso motivou de tal forma o povo Inca, que os habitantes anteriores de Cusco raramente são citados.

De onde vem a visão é uma questão. O que fazer com ela é outra.

Anúncios
Esse post foi publicado em administração, Arquitetura, textos, turismo e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s