O potencial das taxas de crescimento populacional – e como calcular

Sempre que comento sobre a taxa de crescimento populacional do Brasil no século 20 (2,28% ao ano), a reação mais comum entre quem não está habituado ao assunto é de entendê-la como relativamente baixa. Mas essa taxa não foi nada baixa, muito pelo contrário: nosso país foi um dos que mais cresceu em população no século passado.

Isso acontece porque a taxa se refere ao crescimento em relação ao ano anterior, similar a uma taxa de juros compostos em finanças. Exemplificando numericamente, se começarmos com uma população de 100.000 habitantes, a esta taxa de crescimento, terminaremos o primeiro ano com 102.280 pessoas. Porém, o crescimento de 2.280 habitantes pertence apenas a este primeiro período. A partir daí, o crescimento será cada vez maior, porque os 2,28% se aplicam ao ano anterior. Continuar lendo O potencial das taxas de crescimento populacional – e como calcular

É preciso compactar as cidades

Muitos de nossos problemas urbanos estão relacionados ao espraiamento das cidades (urban sprawl). São como manchas de azeite num prato, que muito depois de cessada a fonte, continuam expandindo suas fronteiras. Vamos avançando sobre antigas áreas rurais, sobre a Mata Atlântica, sobre os mananciais, sobre quem nos abastece de alimentos. Ampliamos a mancha de calor e mudamos os regimes de chuvas urbanas, pioramos nossas chuvas tropicais (que, por natureza, já seriam críticas). E deixamos para trás terrenos e imóveis vazios, o filé dos especuladores. O poder público, por sua omissão em planejar, se vê obrigado a levar infraestrutura aos confins urbanos de nosso país, e valoriza por tabela (e às vezes intencionalmente) o filé especulativo. Em vez de adensar, colocar mais prédios nas áreas centrais ou nos bairros cheios de infraestrutura ociosa, preferimos criar grandes manchas urbanas de baixa densidade. Continuar lendo É preciso compactar as cidades