[e] A evolução da Escola Clássica

O século XX viu o surgimento de grandes empresas e, com elas, maior demanda por organização além do chão de fábrica. Naquele momento histórico ficou evidente a necessidade de um sistema de conhecimentos para a totalidade das operações organizacionais. Surgiram então, dentro dessas mesmas empresas, soluções para a organização interna e a profissionalização de sua administração, condições básicas para o crescimento sustentado de qualquer tipo de organização, independente de quem a administrasse. O final da década de 1920 viu o surgimento de duas importantes referências: Pierre du Pont (1870 – 1954) e Alfred Sloan (1875 – 1966).

Du Pont criou e implantou técnicas de administração, finanças e operações em duas grandes corporações: DuPont e General Motors. A primeira, fundada em 1802, cresceu rapidamente como fabricante de pólvora. Pierre assumiu sua presidência em 1915 e conduziu sua ampliação, modernização e diversificação, comprou outras empresas do mesmo ramo e expandiu negócios para a indústria química. As soluções criadas para a administração do conglomerado só precisariam ser revistas meio século depois. Ele introduziu o conceito de retorno sobre o investimento (return on investment, ROI) cuja forma de cálculo é hoje conhecida como fórmula DuPont.

Foram criados departamentos funcionais para a administração das empresas absorvidas e o planejamento estratégico foi separado das operações cotidianas. O Departamento de Desenvolvimento, já em 1903, incluía em sua lista de responsabilidades a definição da estrutura organizacional, o enfrentamento da concorrência, estratégias de aquisição e distribuição de matéria-prima e inovação. Em 1921, inspirado em alterações feitas na General Motors, Pierre descentralizou as decisões conferindo autonomia aos gerentes de divisões

Em 1914, a DuPont adquiriu ações da General Motors, uma empresa que até então era um conglomerado de outras que haviam sido gradativamente absorvidas. Alfred Sloan, que havia vindo de uma dessas aquisições, era um entre vários defensores da sistematização e profissionalização do conglomerado. Uma crise financeira em 1920 obrigou Pierre du Pont a aumentar seu investimento na General Motors, o que o colocou no comando da empresa. Foi quando implantou as recomendações de Sloan, o qual foi nomeado presidente em 1923. Este último definiu dois princípios de organização:

  1. a responsabilidade do executivo principal de cada divisão (completa e autossuficiente) não teria limites
  2. determinadas funções centrais seriam necessárias.

Entre as unidades centrais, foram criadas: engenharia civil, recursos humanos, administração de imóveis, compras e vendas. Implantou também uma política de produtos, aprimorando a qualidade e estudando melhor as decisões sobre quantidade e variedade. A partir de experimentação e inovação tecnológica, em 1921, o investimento resultou em uma grande inovação: pinturas que protegiam o carro das intempéries, dispensando a necessidade de garagem. O número de modelos foi reduzido, e cada um deveria estar situado numa faixa de preço.

O modelo da General Motors tornou-se referência para as grandes organizações (até hoje). As divisões eram centros de lucro, administrados por metas quantitativas pela alta direção central. Essas ideias, implantadas na década de 1920, só foram divulgadas na década de 1960, quando Sloan escreveu suas memórias.

Outros nomes estão também associados ao desenvolvimento da Escola Clássica, como Daniel McCallum, Harrington Emerson (esses dois primeiros anteriores a Du Pont e Sloan, associados às ferrovias), James Mooney, Alan C. Reiley, Luther Gulick, Vytautas Graicunas e Lyndall Urwick. Este último identificou oito princípios que se aplicariam a todas as organizações:

  1. Objetivo: toda organização deve ser a expressão de um propósito
  2. Autoridade e responsabilidades devem ser iguais
  3. Cada pessoa com autoridade é responsável pelo trabalho dos subordinados
  4. Cadeia de comando
  5. Ninguém pode supervisionar mais de cinco ou seis subordinados
  6. Cada pessoa deve ter apenas uma função
  7. Coordenação
  8. Cada tarefa de estar claramente especificada

Os princípios da Escola Clássica só viriam a ser revistos no final do século XX, quando o tamanho das grandes organizações foi reduzido através da eliminação de níveis hierárquicos intermediários em busca de eficiência e diminuição de custos para enfrentar a concorrência. Este processo ficou conhecido como downsizing. Veremos isso mais adiante.

Referências bibliográficas

MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Teoria geral da administração. São Paulo: Atlas, 2006.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.