Morte na FEA-USP e o governo reativo


por Ricardo Trevisan

O assassinato cruel do aluno da FEA-USP suscita uma série de colocações e comentários, mas me parece que o cerne da questão ainda não foi atingido. Assim como a violência, convivemos com uma série de outros problemas públicos cujas soluções sequer estão sendo pensadas pelo governo.

É sempre assim, precisamos chegar a uma situação limite para que uma ação da administração pública seja tomada, em qualquer área, seja segurança, saúde, habitação, educação, transporte…

Nossa cultura de administração pública reativa tem que acabar, e o governo precisa aprender a fazer uma coisa que não costuma fazer: planejar. De verdade. E se comprometer com o que foi planejado. Senão nada vai mudar, e o próximo pode ser um de nós.

Não podemos ficar inertes diante de uma notícia tão triste.

Esse post foi publicado em textos e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s